Como controlar as suas finanças com planejamento financeiro

Como controlar as suas finanças com planejamento financeiro

Hoje no Brasil existem diversas pessoas com dificuldades financeiras, com dívidas e negativação em órgãos como o SPC e Serasa, um pouco disso é reflexo da grave crise econômica que o país vem passando nos últimos anos, em conjunto com uma questão séria de educação no país, existe pouco investimento em educação financeira a população acaba muitas vezes perdendo o controle da situação por falta de informações sobre gestão financeira.

O Planejamento financeiro é a melhor forma de conseguir manter as contas sob controle e conseguir realizar com sucesso, objetivos e a conquista de sonhos como aquisição de um imóvel, automóvel e até mesmo liberdade financeira com a possibilidade de investimentos e renda extra provenientes destas aplicações.

Como controlar as suas finanças com planejamento financeiro

Entendendo sua Renda

O primeiro passo a ser considerado é avaliação da sua renda, muitas pessoas levam em consideração apenas o salário, porém é importante entender além do salário, todos os recursos e receita recebidas por você, uma forma bem prática de fazer isso é avaliar um ano completo de receitas, considerando os salários, férias, 13º salário, premiações, comissões e bônus caso seja funcionário. Caso seja empresário considere os pró-labores, distribuição de lucros caso e outras receitas, tomando sempre o cuidado para não misturar o fluxo da empresa com seu fluxo pessoal.

Além disso é importante considerar outras receitas, que podem ser restituição de impostos, recebimentos de alugueis, juros de aplicações financeiras, dividendos de ações, receitas de vendas de produtos, ou mesmo outras receitas provenientes de serviços extra realizados com base em sua profissão ou especialidades.

Entenda suas Despesas

O segundo passo, basicamente é realizar a mesma tarefa realizada com suas receitas, porém agora com despesas, é importante avaliar um período de por exemplo um ano, tudo o que foi gasto, analise seus extratos, cartão de crédito e todas as contas que pagou.

É importante nesta etapa classificar contas que são recorrentes, que ocorrem todo mês ou com uma frequência pré-estabelecida, como por exemplo condomínio, água, luz, aluguel, impostos. Além disso separe também algumas categorias como despesas com alimentação, lazer, dividas e investimentos realizados.

Só com a realização desta tarefa, normalmente são encontrados diversos gastos desnecessários que por esquecimento ou falta de acompanhamento foram sugando recursos que poderiam estar sendo melhor aplicados.

Elimine os gastos desnecessários

Ao fazer o levantamento de despesas com certeza você encontrará despesas que não são de fato úteis, ou que não tem tanta relevância para sua vida. Alguns exemplos mais comuns são tarifas de manutenção de conta corrente, anuidade de cartão de crédito, seguros desnecessários, assinaturas de revistas e em alguns casos juros de empréstimos mais caros do que o padrão do mercado.

Uma dica neste momento é avaliar se de fato precisa manter a quantidade de contas correntes que você possui, avalie a troca de banco por instituições com menores tarifas ou com isenção de anuidade, busque trocar cartões que cobrem anuidade por outros isentos que também apresentem benefícios, elimine assinaturas de revistas desnecessárias, avalie seu plano de telefonia, tv e internet, normalmente já é possível uma boa economia anual com estas ações.

Comece a investir

O Último passo é encontrar um espaço em seu planejamento orçamentário para que comece a investir parte de sua renda, se conseguir aplicar todos os meses pelo menos 10% de sua renda, com certeza em alguns anos você terá uma receita financeira de aplicações que poderá complementar a sua renda até que consiga atingir sua independência financeira.